Perguntas frequentes

O que é câncer?

Câncer é o nome dado a um conjunto de mais de 100 doenças que têm em comum o crescimento desordenado (maligno) de células que invadem os tecidos e órgãos, podendo espalhar-se (metástase) para outras regiões do corpo.

Dividindo-se rapidamente, estas células tendem a ser muito agressivas e incontroláveis, determinando a formação de tumores (acúmulo de células cancerosas) ou neoplasias malignas.  Por outro lado, um tumor benigno significa simplesmente uma massa localizada de células que se multiplicam vagarosamente e se assemelham ao seu tecido original, raramente constituindo um risco de vida.

Quais os fatores de risco para o câncer de mama?

Ser mulher é o primeiro deles. Não ter filhos e não amamentar também. A terapia de reposição hormonal também aumenta o risco e, por isso, ela é recomendada apenas a pacientes sintomáticas e por, no máximo, 5 anos. A idade é outro fator de risco. Mulheres acima de 40 anos têm maior risco para a doença. E quanto mais idosa, maior o risco. A presença de outros casos de câncer de mama ou de ovário na família também aumentam o risco (e existem testes genéticos que podem confirmar este risco). Devemos lembrar que a maior parte dos cânceres ocorre independentemente da presença de familiares com a doença. O câncer de origem hereditária corresponde a 5% dos casos.

Hábitos e comportamentos podem diminuir a chance de contrair a doença?

Sim. Uma vida com dieta rica em vegetais e frutas e pouco gordurosa, associada à prática regular de atividade física, evitando a obesidade. Evitar a ingestão de bebidas alcoólicas também diminui este risco. Na verdade, estas práticas diminuem o risco de muitas doenças.

Quais são os sintomas do câncer de mama?

Pode se manifestar de várias formas. Uma secreção pelo mamilo de aspecto sanguinolento ou bem aquoso e cristalino; um nódulo ou massa palpável e endurecido na mama; alteração do aspecto da mama (que pode ficar avermelhada ou inchada); uma ferida na pele da mama; um gânglio palpável e endurecido na axila. Contudo, com os métodos de rastreamento, cada vez mais detectamos a doença antes do aparecimento dos sintomas.

Quais exames podem detectar a doença?

A mamografia, a ultrassonografia, a ressonância magnética, ou mesmo o exame clínico realizado pelo médico. Para ser confirmado, contudo, é necessária uma biópsia, que geralmente é guiada por ultrassom, mamografia, ou cirurgia. A Sociedade Americana de Câncer recomenda a realização de mamografia anualmente para todas as pacientes acima de 40 anos. Algumas vezes, ela precisa ser complementada com algum outro tipo de exame, como a ultrassonografia. Em pacientes de alto risco, a recomendação para acompanhamento é diferenciada. Deve ser iniciada mais precocemente e é indicado um acompanhamento com o mastologista a cada 6 meses.

Próteses de silicone nos seios podem contribuir para o desenvolvimento da doença?

Não. Os estudos até agora não demonstraram esta associação. Contudo, pacientes com silicone devem ser avaliadas de forma diferenciada, com realização de técnica específica complementar durante a mamografia. Se há rotura de prótese, ela deve ser trocada.  Há descrição de uma associação entre uso de prótese de silicone e linfoma de células B, porém este linfoma é muito raro.

Quais são as chances de cura de câncer de mama?

Com os tratamentos disponíveis atualmente, a chance para cura de um câncer de mama em estádio inicial é muito grande. A sobrevida em 5 anos é de 98%. Por isso é importante o diagnóstico precoce e, para isso, a realização de exames de rotina é fundamental.

O câncer de mama pode atingir homens?

Pode, mas é muito mais raro. Apenas 1% dos casos de câncer de mama ocorrem nos homens. É mais comum em homens com casos na família, mais sujeitos à mutação genética, com história de radioterapia prévia da região do tórax ou aumento do volume mamário (ginecomastia).